top of page

Indigenous Chief Marcos Xukuru denied rightful seat as Mayor in Pesqueira, Brazil

Updated: Aug 24, 2022


In this blog post, Marília Nepomuceno of Cosmonucleação Regenerativa (a GRRIPP LAC project partner) and Thiago Silva (assistant to Cacique Marcos Xukuru) write about how local indigenous leader, Marcos Xukuru, is being prevented from taking his rightful seat as mayor of the city. Written in Brazilian Portuguese and translated to English by Louisa Acciari.


--- Versão em português disponível abaixo ---


As the electoral war for the Brazilian Presidency begins, the candidate and former Workers’ Party President Luiz Inácio Lula da Silva is leading the polls, followed by the incumbent far-right and anti-indigenous rights President Jair Bolsonaro, who is seeking re-election. We are also witnessing from here, inside ‘deep Brazil’, the escalation of reactionary forces against popular candidates, including candidates who already won the municipal election of 2020.


A case in point is the election of the Cacique Marcos Xukuru, who was democratically elected to be Mayor of Pesqueira (state of Pernambuco) in 2020. Two years after those elections, the Electoral and Federal Justice have now declared the ineligibility of Marcos Xukuru, chief (Cacique) of the Xukuru people. He is the first indigenous mayor to be elected in the municipality, which has one of the best known indigenous territories in Pernambuco, the Xukuru Indigenous Territory of Ororubá.


Profile image of indigenous chief Marcos Xuruku
Cacique Marcos Xukuru. Credit: Marcos Xuruku

Here is a brief chronology to understand the case, which starts back in February 2003.


On February 7, 2003, Cacique Marcos Xukuru was ambushed: he was targeted in an attempted assassination, which resulted in the death of two indigenous people, José Ademilson Barbosa da Silva and Josénilson José dos Santos, who were accompanying him on that day. People linked to the attack were identified within the Xukuru do Ororubá Indigenous Territory, and expelled from the community by other indigenous community members. This event marked the life of Cacique Marcos Xukuru. Similar attacks had happened to his father, the then-Cacique Xicão Xukuru, who was actually killed in an ambush in 1998.


The case gained national and international attention and repercussions and, in 2016, the Inter-American Court of Human Rights recognised the violation carried out against the Xukuru people by the Brazilian State itself, and ruled in defence of Marcos Xukuru and the Xukuru Indigenous People of Ororubá:


The case refers to the alleged violation of the right to collective property and the personal integrity of the Xukuru Indigenous People, as a result of: i) the alleged delay of more than 16 years, between 1989 and 2005, in the administrative process of recognition, titling, demarcation and delimitation of their ancestral lands and territories; and ii) the alleged delay in the total removal of external settlers from these lands, so that the aforementioned indigenous people could peacefully exercise their rights. The case also relates to the alleged violation of the rights to judicial guarantees and judicial protection, as a result of the alleged failure to comply with the reasonable time in the respective administrative proceeding, as well as the alleged delay in resolving civil actions brought by non-indigenous people with respect to part of the ancestral lands and territories of the Xukuru Indigenous People.”


The Commission pointed out that Brazil violated the right to property, as well as the right to personal integrity, the guarantees and judicial protection provided for in Articles 21, 5, 8 and 25 of the American Convention, in relation to Articles 1.1 and 2 of the same instrument. The Court deferred to the Brazilian State, which accepted the complaint and compensated the Xukuru do Ororubá Indigenous People.


After that, local assemblies were held and collective indigenous decisions were made, and Cacique Marcos Xukuru decided to stand as a candidate for mayor of his municipality. After going through a challenging electoral campaign, in the midst of the Covid-19 pandemic, extreme socio-political crises that affected Brazil, and a well-organised opposing political force (which keeps the power between local oligarchies and reproduces the dynamics of the colonial times), the then-candidate Marcos Xukuru achieved official electoral victory. In 2020, Cacique Marcos Xukuru won the election with 51.60% of the votes, beating the other candidate, the then-mayor running for re-election.

Cacique Marcos Xukuru at an event with former President Lula. Credit: Marcos Xukuru


Dissatisfied with the victory of indigenous people, opposing political forces articulated their response through the gears of the Brazilian justice system. They sought to prevent the Cacique from taking over the city hall. Triggering an electoral review, they denounced Cacique Marcos as ineligible for having a mark on his criminal record. To the shock of many, the alleged 'mark' against him was actually the case in which Cacique Marcos Xukuru was ambushed. In other words: the assassination attempt against Cacique Marcos was instrumentalised by opposing forces as having been ordered by Cacique Marcos himself! Opponents accused him, amongst other things, of degradation of private property.


The electoral dispute was first judged at the municipal level, and Cacique Marcos won. The opposing forces then appealed and took the case to the State of Pernambuco, which decided by 4 against 3 votes to reject the victory of Cacique Marcos. Cacique Marcos, in turn, appealed and took the case to the highest court in the country, the Superior Electoral Tribunal, a federal level court in Brasília. After two years waiting for his electoral victory to be granted, Cacique Marcos Xukuru saw instead, on 7 August 2022, the highest authorities in the country decide against his eligibility.


This case only shows that, once again, Brazilian indigenous peoples are sacrificed by the political and judicial system of the country, and officials of the State make ‘big’ decisions to the detriment of the population. The old colonial oligarchy could not allow an indigenous mayor to be elected, and went as far as making him ineligible on the grounds that he commanded an attack against himself!


Cacique Marcos was serving as Secretary of Government of the municipality of Pesqueira, together with the interim Mayor Sebastião Leito (known as Bal de Mimoso), while waiting for the judicial decision. New elections will now be organised. In spite of this defeat, Cacique Marcos and his people stand still in defence of their territory. As the Xukuru people say, “courage overcomes fear”, and Cacique Marcos is building, once again, political strength to place one of their own as a candidate to win the next elections.


According to Cacique Marcos, this is a battle that goes beyond individual personalities, and the ultimate goal is to have their people represented at the local council, whether this person is him or someone else.

Cacique Marcos Xuruku interacting with two women.
Cacique Marcos Xukuru interacting with the local community. Credit: Marcos Xukuru

Author Bios:

Marília Nepomuceno is the coordinator of the GRRIPP project “Cosmonucleação Regenerativa” and she holds an MSc student in Anthropology at the Federal University of Pernambuco. Thiago Silva is an assistant of Cacique Marcos.

Dr Louisa Acciari is the Global Network Coordinator for GRRIPP based at UCL.



--- Versão em português ---



Cacique Indígena Marcos Xukuru é negado seu direito a assumir cargo de prefeito em Pesqueira, Brasil


Neste comunicado, Marília Nepomuceno da Cosmonucleação Regenerativa (parceira do projeto GRRIPP LAC) e Thiago Silva (assessor do Cacique Marcos Xukuru) escrevem sobre como o líder indígena local, Marcos Xukuru, está sendo impedido de assumir seu cargo de prefeito da cidade . Escrito em português do Brasil e traduzido por Louisa Acciari para o inglês.


No mês em que se inicia a corrida e guerra eleitoral pela Presidência da República no Brasil, em que o candidato Luiz Inácio Lula da Silva está nas frentes das pesquisas, acompanhado logo atrás do também candidato e atual presidente de extrema-direita e anti-indígena Jair Bolsonaro, que não para de crescer nas pesquisas de intenção de voto, chegando cada vez mais perto do primeiro colocado delas, o Lula. Assistimos também, daqui, por dentro dos profundos Brasis, a escalada das forças reacionárias contra candidaturas e pleitos populares, inclusive os que foram alcançados nas eleições municipais recém realizadas, em 2020.


Um exemplo é a eleição do Cacique Marcos Xukuru, eleito democraticamente para prefeito de Pesqueira (PE) em 2020. Dois anos após essas eleições, a Justiça Eleitoral e Federal declararam nesse mês de Agosto de 2022 a inelegibilidade de Marcos Xukuru, Cacique do povo Xukuru. Ele é o primeiro prefeito indígena a ser eleito no município, que possui uma das terras indígenas mais conhecidas de Pernambuco, a Terra Indígena Xukuru do Ororubá.


Aqui está uma breve cronologia para entender o caso, que começa em fevereiro de 2003.


Em 7 de fevereiro de 2003, o Cacique Marcos Xukuru sofreu uma emboscada: foi alvo de uma tentativa de assassinato, que resultou na morte de dois indígenas, José Ademilson Barbosa da Silva e Josénilson José dos Santos, que o acompanhavam naquele dia. Pessoas ligadas ao ataque foram identificadas dentro da Terra Indígena Xukuru do Ororubá e expulsas da comunidade por outros indígenas. Este evento marcou a vida do Cacique Marcos Xukuru. Ataques semelhantes aconteceram com seu pai, o então Cacique Xicão Xukuru, morto em uma emboscada em 1998.


O caso ganhou repercussão nacional e internacional e, em 2016, a Corte Interamericana de Direitos Humanos reconheceu a violação praticada contra o povo Xukuru pelo próprio Estado brasileiro, e decidiu em defesa de Marcos Xukuru e do Povo Indígena Xukuru de Ororubá:


“O caso se refere à suposta violação do direito à propriedade coletiva e à integridade pessoal do Povo Indígena Xukuru, em consequência: i) da alegada demora de mais de 16 anos, entre 1989 e 2005, no processo administrativo de reconhecimento, titulação, demarcação e delimitação de suas terras e territórios ancestrais; e ii) da suposta demora na desintrusão total dessas terras e territórios, para que o referido povo indígena pudesse exercer pacificamente esse direito. O caso também se relaciona à suposta violação dos direitos às garantias judiciais e à proteção judicial, em consequência do alegado descumprimento do prazo razoável no processo administrativo respectivo, bem como da suposta demora em resolver ações civis iniciadas por pessoas não indígenas com relação a parte das terras e territórios ancestrais do Povo Indígena Xukuru.”


A Comissão destacou que o Brasil violou o direito à propriedade, bem como o direito à integridade pessoal, às garantias e a proteção judicial previstas nos artigos 21, 5, 8 e 25 da Convenção Americana, em relação aos artigos 1.1 e 2 da Convenção Americana, o mesmo instrumento. A Corte deferiu que o Estado brasileiro devia indenizar o Povo Indígena Xukuru do Ororubá, e assim foi feito.


Diante tudo isso, assembléias locais foram realizadas, decisões coletivas indígenas foram tomadas, e o Cacique Marcos Xukuru lançou-se como candidato a prefeito de seu município. Depois de passar por uma campanha eleitoral desafiadora, em meio à pandemia de Covid-19, crises sociopolíticas extremas que afetaram o Brasil, e uma oposição política bem organizada - que mantém o poder entre as oligarquias locais e reproduz dinâmicas do Brasil Colônia, o então candidato Marcos Xukuru obteve vitória eleitoral oficial. Em 2020, o Cacique Marcos Xukuru venceu a eleição com 51,60% dos votos, derrotando a outra candidata, Maria José (DEM), então prefeita e candidata à reeleição.


Insatisfeitos com a vitória dos indígenas, as forças da oposição articularam sua resposta pelas engrenagens da justiça brasileira. As ações impediram que o Cacique indígena Marcos Xukuru tomasse a prefeitura. Acionando um processo de revisão eleitoral, denunciaram o Cacique Marcos como inelegível por ter uma marca em sua ficha criminal. Para o espanto de muitos, a suposta 'marca' contra ele é na verdade o caso em que o Cacique Marcos Xukuru foi emboscado. Em outras palavras: a tentativa de assassinato contra o Cacique Marcos foi instrumentalizada por forças opostas como tendo sido ordenada pelo próprio Cacique Marcos! Os opositores o acusaram, entre outras coisas, de degradação da propriedade privada.


A disputa eleitoral foi primeiro julgada em nível municipal, e o Cacique Marcos venceu. As forças opositoras então recorreram e levaram o caso ao estado de Pernambuco, que decidiu por 4 contra 3 votos rejeitar a vitória do Cacique Marcos. O Cacique Marcos, por sua vez, recorreu e levou o caso ao mais alto tribunal do país, o Tribunal Superior Eleitoral, instância federal de Brasília. E depois de dois anos esperando que sua vitória eleitoral fosse concedida, o Cacique Marcos Xukuru viu, em 7 de agosto de 2022, as mais altas autoridades do país decidirem contra sua elegibilidade.


Este caso apontam para o terrível cenário que conhecemos em que os povos indígenas brasileiros são sacrificados pelo sistema político e judiciário do país, e os funcionários do Estado tomam 'grandes' decisões em detrimento das forças e grupos populares. A velha oligarquia colonial não podia permitir que um prefeito indígena fosse eleito, e chegou a torná-lo inelegível, após sua vitória eleitoral, alegando que ele tinha comandado um ataque contra si mesmo!


O Cacique Marcos atualmente exerce o cargo de Secretário de Governo do município de Pesqueira, juntamente com o prefeito interino Sebastião Leito (conhecido como Bal de Mimoso), enquanto aguardava a decisão judicial. Após decisão final sobre sua não elegibilidade, novas eleições serão organizadas. Apesar dessa derrota, o Cacique Marcos e seu povo permanecem firmes na defesa de seu território. Como diz o povo Xukuru, “a coragem acima do medo”, e o Cacique Marcos está construindo, mais uma vez, força política para colocar um dos seus como candidato a vencer as próximas eleições.


Segundo o Cacique Marcos, essa é uma batalha que vai além das personalidades individuais, e o objetivo final é ter seu povo representado na câmara municipal, seja ele ou outra pessoa.



Biografias dos autores:


Marília Nepomuceno é coordenadora do projeto GRRIPP “Cosmonucleação Regenerativa” e é mestranda em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Thiago Silva é assessor do Cacique Marcos.

A Dra. Louisa Acciari é a Coordenadora Global de Redes do GRRIPP na UCL.


bottom of page